quinta-feira, 5 de abril de 2012


Ela é a mulher que adora andar descalça na rua, porém dentro de casa precisa do chão limpo.
Será que isso quer dizer algo?
Não tem tantas recordações do passado.
Enterra tudo de uma maneira bem simples.
Apaixona-se e desapaixona-se instantaneamente.
Basta uma pequena ação pra tudo ruir.
Constrói em pessoas uma imagem que talvez não seja delas,
Mas é quase inevitável.
Ainda não descobriu a fórmula pra deixar de fazer isso.
Escreve desde muito nova, mas não vê encanto nem novidade nas suas palavras.
Acha que tudo já foi dito por alguém.
Não acredita nas pessoas. Só em algumas. Não consegue evitar.
Dança sozinha, viaja e sonha nas músicas e poesias e acha que não tem nada mais belo no mundo.
Não fala difícil, aliás, não se impressiona com quem o faz, usa o simples pra se definir, embora seja complicada demais.  Às vezes nem tanto.
Não usa maquiagem, mas sabe que fica bem melhor com os olhos pintados de preto, sabe da sensualidade de seus ombros,  não admite. Mas adora exibi-los.
Aliás, ela se exibe, mas pra poucos.
Não tem medo de mudanças, mesmo que demore pra fazê-las acontecerem.
Brinca com os cabelos,corta, pois não tem pena de deixá-los ir embora.
Não tem medo de nada. Só de abismos. Mesmo adorando se jogar.
Tumultua as coisas mais simples, vê coisas onde não existe, talvez por ter a imaginação fértil demais. Poderia ser uma “Contadora de Histórias”. De tanto que sua imaginação dá voltas.
Já foi Luiza, Alice, Julieta, a sensual, a sexy e a romântica. Hoje é ela. Ainda não descobriu um nome pra sua personagem principal. Talvez o nome dessa vez seja o verdadeiro.
Mas como descobrir?
Dessa vez é a mulher sem ilusões, mas nunca sem sonhos.
Ela não gosta de flores, ai de alguém se mandá-las.
Não consegue disfarçar a cara de descontentamento...
Prefere apreciá-las em um jardim.
Não suporta sentir dor, se entope de remédios ao menor vestígio dela.
Talvez por isso nunca tenha feito uma tatuagem. Medo da dor. Medo não, pavor!
Mas ela sabe que assim que tiver coragem e fizer a primeira não vai conseguir parar, pois ela é assim, compulsiva! Compulsiva por café, compulsiva por doce, compulsiva por abraço e beijo na boca. Compulsiva por sexo. Não, não é mentira. Deve ser culpa dos astros, como diz uma amiga. Gosta do cheiro da pele, não precisa ter perfume. Gosta da boca com gosto de bebida, não muita. Embora não beba...
Vive triste, isso é normal, mas quem a vê pensa que tem uma alegria contagiante. Sim ela faz as pessoas felizes, mas poucos sabem que a alma dela é bem triste. Talvez seja isso que a faça escrever.
Não quer mudar, não vai mudar, pra ela o mundo pode ter salvação, mas ela não. Como disse certa vez um de seus poetas preferidos, Cazuza.

Exageradamente exagerada, não se contém, assusta as pessoas, assusta os homens, sempre assustou com sua mania de posse, mas sempre que algum quis embora, não os deteve.
“vai, se for mesmo meu, volta”
Alguns voltaram, outros não.
Alguns querem voltar, mas a sua mania de enjoar das coisas e das pessoas não permite.
Impossível manter um diálogo com alguém que não goste, mas com aqueles que ama, pode ficar muito tempo junto, e muitas vezes sem nada falar.
Mas ela teima em se esconder, se esconde, se cala, vive num mundo paralelo, o mundo das palavras. E muitas vezes não precisa de ninguém, nem de si própria.
Observa todos, mas se chega a poucos, imagina vozes e vidas...

Onde ela vive?
O que ela faz?
Se pinta, se borra, se beija, se odeia, se ama, tenta, se cansa, desiste, levanta.
Só quem a conhece pode saber.
Ah, e mais uma vez ela ama, e ama, e ama...
Talvez até amanhã, ou até daqui a pouco, ou pra sempre, ou por alguns segundos apenas.
Nunca se sabe.
Ela é exageradamente exagerada e efêmera.
Passa pela própria vida. Passa pela sua vida.
Presta atenção, ela pode nunca mais voltar...

 E a poesia? Onde está?

Nem sempre é poesia, as vezes ela,  é só ELA.



 Fernanda Guiterio



9 comentários:

Kelly disse...

Fê como te falei no face...
Perfeito!
Seu poema está lindo demais.

Me vi nele...tão eu...Como pode?
Deve ser por isso que nos damos tão bem.
De início percebemos quem nos reconhece...quem se identifica com o que somos.

Parabéns pelo post.
Beijo

Fernanda disse...

Obrigada Kelly, a minha vida sempre foi assim, as pessoas com as quais me identifico, ficam, as parecidas comigo, as que eu sei que tem a alma ligada com a minha, de alguma maneira.

E vc eu sei que será uma delas.
Beijos e muito obrigada por me ler...rs

Mel'S. disse...

Vi no face o texto, li e assim como a Kelly daqui de cima dos comentarios, me vi nesse texto, como pode?!?!
pois bem, vi o texto, vi o blog e simplesmente adorei esse cantinho aqui....
Com certeza voltarei mais vezes aqui...

Béju&Qéju

http://momentosapenasmeus.blogspot.com.br/

Fernanda disse...

Obrigada Mel, venha sempre que quiser!!!

Vitor disse...

Apaixona-se e desapaixona-se instantaneamente.
a pergunta é.....
não acredita mais??

Fernanda disse...

acredito sempre...mas posso me desapaixonar e me apaixonar pela mesma pessoa. Ou não...rs

Christian V. Louis disse...

Fernanda, estou impressionado com esta sua auto-descrição.
Acredito que dentro destas palavras haja um pouco de tudo que há no mundo e de todo mundo. Se é que me entende... rs.
A instabilidade é que faz a vida ser interessante, mesmo que ela esteja somente dentro de nós.
Adorei seus escritos, passo a segui-la.

Fernanda disse...

Obrigada Christian, vindo de vc...me sinto honrada.
Não sou de textos longos, até pela minha maneira de ser, bem curta, bem breve, as vezes bem grossa.

Obrigada mesmo...

ângela c disse...

Me vi nesse seu texto, uma coisa que raramente acontece! Parabéns, muito bom!