quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Nunca houve palavras para gritar a tua ausência
Apenas o coração

Pulsando a solidão antes de ti

Quando o teu rosto doía no meu rosto

E eu descobri as minhas mãos sem as tuas

E os teus olhos não eram mais

que um lugar escondido onde a primavera

refaz o seu vestido de corolas.

E não havia um nome para a tua ausência.



{E não havia um nome para a tua ausência.

E não havia um nome para a tua ausência.

E não havia um nome para a tua ausência.

E não havia um nome para a tua ausência.}


Joaquim Pessoa


**Apenas ecos... Ecos da sua ausência...

2 comentários:

Kelly disse...

Fê, sempre que passeio por aqui encontro uma postagem que me identifico...assim como no face.

Adoro tudo aqui e por lá.

Beijo e ótima quarta!

disse...

Obrigada Kelly...tb tô sempre olhando tudo que vc posta...Beijos...